MEDO E COMODISMO: a resistência ao novo e o perigo em evitar as consequências do caminho libertador


É natural ao ser humano buscar constantemente o sentido para as coisas e para a vida e é a filosofia que nos auxilia neste processo. A filosofia busca através de questionamento racional a verdade que explica e sistematiza.  Mas a ideia desta reflexão não é adentrarmos em conceitos filosóficos, porém refletir sobre sermos tão fechados ao novo, ou seja, as mudanças que em grande parte são dolorosas, porém necessária para quebra de paradigmas. O motivo desta resistência pode ser dois: medo e comodismo. 

Em outras reflexões, falamos sobre a carência afetiva do ser humano e sobre a sua necessidade de construir relações fraternas para a manutenção da espécie. Aristóteles fala bem sobre isto quando diz que a família é a geradora da base que dá sustentação a espécie humana, ou seja, somos carentes e precisamos de preenchimento afetivo e social. Assim, buscamos institivamente alternativas que facilite as nossas atividades e quando encontramos a tendência é acomodar-se. 

A praticidade que as novas tecnologias trouxe para simplificar nossas atividades tem um efeito colateral da constante busca pela facilidade.  No entanto, administrar as perdas e/ou as contrariedades da vida, diante das novas culturas, se torna difícil  porque afastamos assim os métodos pedagógicos  que aprendemos com as contrariedades. Deste modo, acomodados não queremos enfrentar os desafios e  buscamos no automático as  "receitas prontas". 

Na nossa vida é inevitável o confronto com o medo. Alguns filósofos definem o sentimento como regulador afim de evitar erros. O existencialista, Heidegger, afirma que o medo pode aprisionar quando mal administrado pelo indivíduo. O medo auto condena o homem/mulher na impropriedade sendo regulado pelos outros ou pelas circunstâncias que o conduz a uma espécie de sentido sem finalidade. 

Ao escrever sobre a pedagogia do sofrimento, lembro sobre a necessidade de ver a contrariedade não como fatalidade, mas como uma consequência pedagógica de libertação. Só conseguiremos alcançar a pedagogia quando nos abrimos ao novo sem medo de enfrentar os novos desafios e não fugir do confronto com as contrariedades. Dom Helder Câmara, grande humanista, destacou muito bem essa necessidade humana de: "Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante... Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor para a construção do mundo...". Helder acreditava que não existia receita pronta, mas que é necessário construir o caminho sempre rompendo o comodismo para alcançar libertação. 

Por fim, é necessário possuir o controle sobre o medo e buscar elementos que nos afaste do comodismo que aprisiona. Não há receita mágica, mas consequências em um caminho que é longo, porém repleto de aprendizado e de libertação. Este processo começa na concepção e não pode parar durante a nossa vida. 

Luiz Carlos Rodrigues da Silva é comunicólogo e estudante de filosofia.

  

Deixo para reflexão uma canção do Pe. Zezinho, scj:

Comentários

  1. Realmente precisamos nos libertar, no meu caso, do medo. Mas como diz a musica: Cada coisa tem seu tempo. Que Deus nos conceda o que necessitamos, no tempo certo, no seu tempo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seu comentário será postado em breve.

Compartilhe com seus amigos: