Privilegiados e despossuídos: cresce o sentimento de indiferença e a fome volta ao Brasil que ostenta no Cristianismo sua principal bandeira religiosa

"O que é muito difícil é você vencer a injustiça secular, que dilacera o Brasil em dois países distintos: o país dos privilegiados e o país dos despossuídos. Eu digo sempre que, das três chamadas virtudes teologais, eu sou fraco na fé e fraco da caridade; só me resta a esperança. Eu sou o homem da esperança". 
Ariano Suassuna

    O Brasil vive dias conturbados tanto na  economia, saúde, Educação, biologia e etc. a lista vai crescendo na medida que avançamos no tempo e regredimos, com um governo ignorante, várias décadas em poucos dias. Precisamos estar atentos ao cuidado com o bem comum e mais ainda ao avanço da fome. Uma pesquisa realizada pelo IBGE, no biênio 2017 e 2018, afirma que a fome aumentou mais de 43% no Brasil.  Os números são assustadores - a pesquisa mostra que as regiões que mais sofrem são o Norte e o Nordeste do país. 

    Sabemos que a fome é uma realidade enfrentada em vários países no mundo e que é preciso atenção do governo afim de evitar o agravamento. Embora esta pesquisa aponte estatísticas do biênio (17/18), não é diferente agora com o avanço da crise econômica e pandêmica do novo corona vírus. Estamos enfrentando um período nebuloso e não podemos fazer vista grossa diante do avanço da miséria. Alguns veículos de comunicação de forma tímida noticiaram dados demográficos e outros ignoraram demonstrando apenas o que já sabemos: a indiferença com os menos favorecidos. 

    O problema não é só da mídia, mas também é nosso quando ignoramos a realidade social do país e dos que estão próximos. O óbice consiste em estarmos em uma zona de conforto, que deveria nos incomodar, mas acaba por deixar indiferente aos menos favorecidos. Quando o nosso ter não é capaz de provocar incômodo de consciência e impulsionar à ação fraterna é nós que estamos na miséria.

    O caso é mais sério quando ostentamos ser cristão e valorizamos mais o ato religioso enquanto culto e esquecemos que o religioso precisa passar pelo humano. Esta nova lógica é apresentada por Jesus Cristo, um Deus, que se humaniza para sentir, ouvir e curar. O profeta da paz e grande humanista, Dom Helder Câmara, durante entrevista ao Jornal do Brasil em Recife, no ano de 1977, destacou que antes de ser um pastor espiritual tem obrigação evangélica de se sensibilizar com os problemas humanos: “Nunca me senti um pastor simplesmente de almas. Sou um pastor de homens, de criaturas humanas. Com alma, corpo e todas as consequências. A mim interessam cada vez mais os grandes problemas humanos! Isto me parece, inclusive, uma obrigação evangélica”. 

    Portanto, é dever do homem ser humanizado pelo fato de ser homem, mas o dever é maior quando ostentamos o título de cristão, é necessário humanizar-se a cada dia, conforme preceito evangélico. A religiosidade deve nos aproximar do sentimento de partilha e pelo zelo ao bem comum. Por fim, o texto traz  uma citação do grande mestre, paraibano, Ariano Suassuna, que resume bem o retrato social do Brasil, também fala sobre a esperança. Podemos até ser fracos na fé e na caridade, mas temos a obrigação de sermos esperançosos e começar a mudança dentro de nós.  

    Deixo algumas perguntas para uma reflexão pessoal: 1) A minha religiosidade me aproxima ou me separa da humanização? 2) Enquanto humano, e se sou cristão, estou me humanizando? 3) Enquanto cidadão qual é a minha contribuição para uma mudança política social? 

    

  Luiz Carlos Rodrigues da Silva é comunicólogo e estudante de filosofia.   

"Um país que ostenta no cristianismo a sua principal bandeira religiosa não pode jamais conviver com a miséria e ficar de braços cruzados sem nada fazer." Dom Helder Pessoa Câmara

Comentários

  1. Muito pertinente sua fala, estes questionamentos afligem meu coração, diante da indiferença de muitos face ao sofrimento da população, clamo por dias melhores para o nosso povo sofrido.

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo,você foi muito direto ao ponto para reflexão. Acredito que me encontro na questão de n° 2. Preciso ne fortalecer no Senhor e fazer valer a vida que recebi de presente.

    ResponderExcluir
  3. Agradeço a todos pelas intervenções. A participação ativa é importante. Abraços. :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seu comentário será postado em breve.

Compartilhe com seus amigos: